A Nuvem

by - junho 29, 2018

Nome: A Nuvem
Autor: Neal Shusterman
Editora: Seguinte
Páginas: 496



Para quem ainda não está familiarizado, "Scythe" se passa na Era da Imortalidade, uma era em que a humanidade já superou os principais problemas: já não há mais doenças, não há desigualdade, não há fome e até a morte pode ser evitada. 

Tudo isso ocorreu graças à Nimbo-Cúmulo, a grande nuvem digital que trouxe todos esses avanços e governa sem desrespeitar nenhuma das regras que lhe foi imposta. Uma dessas regras é o fato de que a Nimbo-Cúmulo não pode se envolver em assuntos da Ceifa, o grupo responsável pelas únicas mortes definitivas que ocorrem no mundo, e que ocorrem apenas para evitar uma superpopulação

Na era da imortalidade, os ceifadores são muito respeitados. A humanidade já superou as doenças, a desigualdade, a fome e até a morte. Porém, a superpopulação continua sendo um problema - problema que só pode ser resolvido por meio dos ceifadores, os guardiões da morte.
No primeiro livro, acompanhamos a jornada de Citra e Rowan, dois adolescentes que foram escolhidos para ser aprendizes de ceifador. Para isso, precisam aprendar a coletar os outros - isto é, precisam aprender a matar... Mas sempre com consciência e com compaixão, para serem realmente merecedores de um cargo tão importante e difícil. Mas será que é isso mesmo que acontece?

A partir de agora, há Spoilers de O Ceifador


No último livro, percebemos que a Ceifa não é uma instituição tão íntegra como se faz parecer. Para começar, eles estão divididos: de um lado, estão os ceifadores da Velha Guarda, que age com consciência e compaixão; de outro, estão os da Nova Ordem, que acreditam que você deve fazer o que ama - e tem que aproveitar o fato de que pode matar.

Citra e Rowan se veem bem envolvidos nesse conflito entre a Ceifa - e esse conflito continua depois dos acontecimentos do último livro. Rowan, que não foi ordenado, passa a se identificar como Ceifador Lúcifer - e passa a caçar os ceifadores que não agem de forma merecedora de seu cargo. Citra, por sua vez, se torna a Ceifadora Anastássia, que busca ser justa nas suas coletas, dando um tempo para os coletados colocarem suas vidas em ordem e optarem pela forma como gostariam de ser coletados. A forma como a Ceifadora Anastássia coleta suas vítimas não está agradando os adeptos da Nova Ordem - e Citra vê sua vida entrar em risco. 

Mas isso não agrada a Nimbo-Cúmulo, que apesar de não poder interferir nos problemas da Ceifa, sabe que Ceifa é uma das pessoas que pode alterar o mundo para melhor. E a Nuvem encontrou alguém perfeito para contornar as regras com as quais é obrigada a seguir - alguém que cresceu vendo a Nimbo-Cúulo como mãe - Greyson Tolliver.


Em "O Ceifador", os capítulos tinham início com parte dos diários dos Ceifadores; já em "A Nuvem", os capítulos se iniciam com relatos da Nimbo-Cúmulo. Eu achei isso bem interessante, já que começamos a entender bem quem são os protagonistas de cada livro, quais são suas intenções, suas vontades, seus receios e ambições... Além disso, lendo o relatório da própria Nuvem, conseguimos entender ainda mais essa inteligência artificial que permitiu o mundo aparentemente perfeito em que os personagens vivem.

O livro é daqueles que te prende de início ao fim. Eu lembro que reclamei do ritmo lento de "O Ceifador", mas isso não acontece aqui de maneira alguma... Há um acontecimento após outro e estamos sempre ligados para saber quais serão os próximos passos de nossos protagonistas! O livro é cheio de reviravoltas e sempre nos deixam ao mesmo tempo animados para saber o que vem na próxima página e tristes pela leitura estar indo tão rápido! 

Sem dúvidas, uma das séries que vale a pena ser lida! O único defeito é não ter saído ainda o próximo livro!

Leia também

0 comentários!

Seu comentário é muito importante! Obrigada por comentar, e aproveite sua visita!

* Os comentários são moderados, então dependem de aprovação para serem publicados.

O conteúdo do blog foi escrito e criado por mim, salvo quando sinalizado. Se for copiar, me avise e coloque os devidos créditos. As imagens e fotos, se não tiradas por mim ou criadas para o blog, foram retiradas, em sua maioria, do Pixabay. Caso seja de sua autoria, me avise para que eu coloque os devidos créditos!

Licença Creative Commons