Jonathan Strange & Mr. Norrell

by - janeiro 20, 2016

Nome: Jonathan Strange e Mr. Norrell
Autora: Susanna Clarke
Editora: Seguinte
Páginas: 824


Inglaterra, 1806. Os magos são considerados sábios no país. Porém, tudo o que faziam era estudar sobre magia: há muito tempo não a praticavam. É então que encontram Mr. Norrell, um homem mais velho, ranzinza e conservador, que revela a capacidade de praticar a magia. 

Com essa habilidade, Norrell se torna influente. Após ser descoberto, sai de sua reclusão e decide ir para Londres com o objetivo de se consolidar como o único mago da Inglaterra e controlar todo o conhecimento mágico do país. Enquanto isso, ajuda o governo britânico a combater Napoleão Bonaparte na guerra que o país trava contra a França.

Jonathan Strange aparece em cena ao descobrir que também possui talento para a magia e, assim, se torna discípulo de Norrell. Strange é carismático e energético e sua personalidade bate de frente com a de Mr. Norrell. Em pouco tempo, começam a se desentender, podendo colocar em risco seu país.

John Uskglass, que não aparece no título, também tem importância para a história - ganhando uma parte do livro dedicada para si. Ele é o precursor da magia na Inglaterra, e conhecido como Rei Corvo. A maior parte dos estudiosos de magia o admira - e com Strange não é diferente. Norrell, porém, despreza o Rei Corvo, de modo que é claro uma das desavenças entre eles.


Ao pegar o livro em mãos e iniciar a leitura, já temos bons incentivos para aumentar as expectativas: na capa, já descobrimos que o livro foi transformado em série pela BBC. Além disso, logo na introdução, Neil Gaiman, renomado autor britânico, tenta colocar em palavras o tanto que apreciou o livro e como Susanna Clarke se tornou, em pouco tempo, uma de suas autoras preferidas.

A autora se inspirou em grandes nomes da literatura inglesa, como Tolkien, Jane Austen, Charles Dickens e Anne Radcliffe, pegando um pouco de cada um deles. O trabalho de 10 anos foi recompensado com o Hugo Award, um dos maiores prêmios do gênero fantástico!


O livro é, na verdade, uma trilogia - o bloco de mais de 800 páginas é separado em 3 partes: uma dedicada à Mr. Norrell, outra à Jonathan Strange e, por fim, uma dedicada à John Uskglass. A escrita de Susanna Clarke é bem gostosa, e me lembrou a de Tolkien, já que ela também conversa com o leitor. Gostei muito do fato da autora mesclar no enredo do livro a magia com os fatos ocorridos e conhecidos na nossa história - como a guerra do Reino Unido contra a França de Napoleão.

Outra coisa que achei bem interessante foram as notas de rodapé - quando o personagem comenta algo de que os leitores não estão inteirados, aparece uma nota de rodapé explicando exatamente o que aconteceu. Isso, apesar de deixar o universo criado por Clarke ainda mais interessante, ao mesmo tempo deixa a leitura cansativa - algumas notas de rodapé são tão compridas que temos que virar a página e depois retornar para continuar a leitura.

De qualquer modo, mesmo sendo um pouco cansativa de vez em quando, a escrita de Clarke sempre nos leva de volta à esse mundo cheio de magia e mistério. Não é a toa que o livro é tão bem recomendado por Gaiman e se tornou uma série! Para aqueles que apreciam uma boa fantasia, vale a pena ler!

Leia também

10 comentários!

  1. Olá... tudo bem??
    Eu não curto ler livros fantásticos com esse tipo de premissa... acho eles muito cansativos... mas é um problema pessoal meu não adianta haha... mas de qualquer forma mesmo com as suas ressalvas a leitura foi bem satisfatória pra ti e deu para curtir demais o que o livro propõe... Xero!!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, Diana! Eu amo esse tipo de livro! Tanto que quando li do que se tratava, já fiquei super curiosa para ler Jonathan Strange & Mr. norrell hahha

      Beijos!

      Excluir
  2. Oie, tudo bom?
    Não é o livro que eu gosto de ler e MEU DEUS, ele é enorme! Achei interessante que ele é dividido em três partes porque isso facilita o entendimento. Gostei porque tem notas de rodapé e isso sempre me ajuda em livros grandes.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é enorme mesmo, Aline!
      Com certeza o fato de ser dividido em parte facilita a leitura - dá para fazer aquela pause (se você não estiver morrendo de curiosidade para continuar) - e depois voltar a ler mais tranquilamente haha
      Beijos!

      Excluir
  3. Não conhecia o livro e realmente ele tem ingredientes para que o enredo agrade. Vou anotar a dica.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Esse não é o meu gênero preferido de leitura, mas adorei sua resenha.
    Bjos

    http://paraisodasideas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá, adorei a dica, gostei muito da capa também...com certeza vai entrar para a lista de próximas leituras.

    Beijokas da Quel ¬¬
    Literaleitura

    ResponderExcluir
  6. Olá, não conhecia o livro, mas acho que ouvi falar da série. Imagino que seja muito bom, já que sofre tantas influências tão ricas. Realmente, essas notas de rodapé atrapalham bastante a leitura, pois já li livros assim e não foi bacana. O jeito vai ver a série msm kkkk. Bjs

    ResponderExcluir
  7. confesso que nunca tinha ouvido falar da obra, nem da série, mas se Gaiman diz que é bom, e as influências da autora são Tolkien, Austen e Dickens eu já acredito que vale muito a pena conhecer... dica anotada ^^

    ResponderExcluir
  8. A capa do livro está fantástica! Eu adoro uma boa fantasia, e gostei muito da premissa da obra. Estou muito curiosa para ler esse livro, já o coloquei na minha lista e farei a leitura assim que possível. Quanto às notas de rodapé, por vezes eu as ignoro. Quando vejo que vai atrapalhar muito a leitura do livro, não leio as notas de rodapé, a não ser que não consiga entender alguma passagem do livro sem ler as notas.

    Tatiana

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante! Obrigada por comentar, e aproveite sua visita!

* Os comentários são moderados, então dependem de aprovação para serem publicados.

O conteúdo do blog foi escrito e criado por mim, salvo quando sinalizado. Se for copiar, me avise e coloque os devidos créditos. As imagens e fotos, se não tiradas por mim ou criadas para o blog, foram retiradas, em sua maioria, do Pixabay. Caso seja de sua autoria, me avise para que eu coloque os devidos créditos!

Licença Creative Commons