Entrevista: Marcelo Hipólito

by - maio 21, 2014

Oi, gente!

Hoje trago para vocês a entrevista com Marcelo Hipólito, autor do livro "O Mago de Camelot: a saga de Merlin para coroar um dragão".



Como foi seu primeiro contato com a leitura? Você já lia na infância?

Sim. Sempre gostei de ler, desde que aprendi as letras e as palavras. Meu primeiro livro, dado por meu pai, foi “Marcelo, Marmelo, Martelo”. Essa foi a primeira referência literária que me recordo. Ainda que possam ter havido outras, essa ficou marcada em minha memória.

Quando você começou a escrever? Quando decidiu ser autor?

Meu gosto literário foi influenciado pelas obras que li e os filmes que assisti, durante minha vida. Isso vale para todos os meus gêneros favoritos: fantasia, ficção científica, romance histórico...

Sempre gostei de escrever. Estudei cinema e trabalhei com roteiros de filme e TV. Porém, lenta e gradualmente, fui atraído pela ideia de passar de uma obra de criação coletiva (cinema) para uma criação de caráter mais individual (livro), que oferece um controle maior sobre o resultado final da sua obra.

De fato, ainda na minha fase de roteirista, trabalhei com um colega escritor do RJ, o talentoso Marcelo Machado. Juntos, conseguimos um agente para nos representar em Hollywood e tivemos algumas obras consideradas para produção no mercado americano.

Contudo, como não podia me mudar para os EUA na época, devido a problemas de saúde na família, decidi permanecer no Brasil. Por questões locais, meu colega Marcelo Machado também não se mudou e mantivemos nossas atividades literárias pela elaboração de contos em língua inglesa publicados nos EUA, Reino Unido e Espanha. Nessa época, um dos nossos contos, Eternal Grief, foi indicado a melhor conto de horror nos Estados Unidos, em 2003, pelo Preditors & Editors Readers Poll.

Quais são suas inspirações para escrever? Tem algum autor como referência?

J. R. R. Tolkien e Isaac Asimov são meus autores favoritos e eternas inspirações pela sua qualidade e ousadia literária.

Qual foi sua inspiração para escrever “O Mago de Camelot – A Saga de Merlin para coroar um Dragão”?

Acho que três inspirações maiores me atraíram para escrever a história. O caráter dúbio da magia. Nas lendas e mitologias que me cativam, o usuário de magia costumar pagar um preço pela sua utilização, ciente ou não disso. O outro elemento é o caráter nobre de Camelot, que espelha o desejo humano pela luta e edificação de um mundo melhor, sem ódios, através da paz, da ordem e da liberdade, e não da imposição, do autoritarismo e da barbárie. Por fim, Merlin sempre foi um personagem fascinante para mim. Ele é o mais famoso mago de todos os tempos. Maior conselheiro, tutor e amigo do rei Artur, figura fundamental em uma das histórias mais lendárias da civilização ocidental.

O seu livro se passa na era arturiana. Como foi o processo de pesquisa para envolver os personagens nesse contexto?

Extenso, trabalhoso, demorado. Pesquisei livros e trabalhos acadêmicos, muitos deles diretamente em língua inglesa, sobre a vida, a cultura, a guerra e as relações familiares e sociais na Idade das Trevas, especialmente na Britânia. Li também reproduções dos textos mais antigos que sobreviveram até nossos dias que contam a história do ciclo arturiano, o ideal de cavalaria e a Távola Redonda.

Você já escreveu outras obras, com assuntos bem diversos. Você poderia contar um pouquinho sobre elas? Qual você mais gostou de escrever?

Minha favorita ainda é meu primeiro romance de estreia em língua portuguesa, “Lúcifer: o primeiro anjo”, que teve mais de uma edição, todas esgotadas, e atualmente pode ser encontrado somente em bibliotecas (muitas delas fora do Brasil) e em sebos.

“Lúcifer: o primeiro anjo” é um livro de aventura, um épico mitológico que demandou muita pesquisa e estudo sobre descobertas arqueológicas e ensinamentos de religiões e mitologias milenares e doutrinas filosóficas e teológicas.

É a lenda de Lúcifer, do início ao final dos tempos, com todos os ambientes e personagens que a compõe. A começar por Deus, apresentado segundo as suas “origens” nas culturas do Oriente, baseadas no conceito primitivo do equilíbrio do Bem e do Mal, do Yin-yang, mas sem abrir mão do Deus que conhecemos no Ocidente, de amor e bondade puros. E o mesmo acontece com os outros personagens do livro. O livro não se restringe à mitologia judaico-cristã, mas às diversas manifestações do Mal, dispersas pelas incontáveis lendas e crenças humanas, resgatadas em um conjunto único e coerente, que lança uma luz reveladora sobre as origens do Mal, escassas e vagas em praticamente todas as religiões.

 Você pensa em escrever mais algum livro? Poderia nos contar um pouquinho sobre o que está planejando para os próximos anos?

Estou trabalhando, no momento, em projeto que espero concluir até o final do ano. São três ou quatro livros (essa formatação final ainda está em aberto) que estou escrevendo em parceria com um talentoso alquimista. Além disso, iniciei as pesquisas para um novo romance solo, que pretendo finalizar no ano que vem.

Como você vê a literatura brasileira atualmente? Quais são suas expectativas quanto a ela?

Eu vejo a literatura brasileira está entrando num ótimo momento. Estamos passando por uma revolução no setor com o impacto das redes sociais, a chegada da Amazon no Brasil, a consolidação do mercado, o início da disseminação dos e-books, etc. As editoras nacionais percebem, cada vez mais, a importância de montarem carteiras de escritores nacionais, que são mais baratos e disponíveis para os leitores brasileiros, em eventos literários, entrevistas, programas de rádio, TV e Internet.

Eu pretendo investir cada vez mais na minha carreira no Brasil, mas sem deixar de olhar o mercado internacional. Pretendo retomar, já nesse ano ou no próximo, uma maior atenção também ao exterior.

Você faz parte do grupo “Infinito Criativo das Letras”. Você acha que o grupo ajuda na divulgação da literatura nacional?

Com certeza. Estamos entrevistando, trocando ideias e agitando a cena da literatura nacional com diversas figuras de proa na literatura nacional, como André Vianco, Max Mallmann e Lycia Barros.

Tem alguma dica para quem tem vontade de publicar um livro?

Leia muito. Todo autor é antes de tudo um leitor compulsivo e apaixonado.

Sei que essa pode ser uma pergunta difícil, mas qual seu livro preferido?

Na verdade, é uma pergunta fácil, apenas não é um único livro, mas sim, duas obras: O Silmarillion, de J. R. R. Tolkien, e a trilogia Fundação de Isaac Asimov

Qual livro nacional você recomenda? Por quê?

Recomendo “As Duas Faces doDestino”, de Landulfo Almeida,  “Presságio: o assassinato da freira nua”, de Leonardo Barros, e “Ser Clara”, de Janaína Rico. Porque são ótimos livros, que evidenciam a qualidade e diversidade crescentes da literatura brasileira.

Obrigada pela entrevista! Você gostaria de deixar algum recado para os leitores do blog?

Convido todos a conhecerem meu novo romance de aventura “O Mago de Camelot: a saga de Merlin para coroar um dragão”.  


Para maiores informações sobre minhas obras, eventos que participo, outros trabalhos e informações palpitantes, acessem meu site.

Vocês também me encontram nas seguintes redes sociais: Youtube | Fanpage | Twitter 



TOP COMENTARISTA

Leia também

13 comentários!

  1. Oi Deia,
    tive o prazer de conhecer o Marcelo no Mochila Literária, que aconteceu aqui no RJ e comprei o meu exemplar de O Mago de Camelot...
    Achei o livro excelente, tanta historia para algo tão curto.... Acabei o livro em um dia com a sensação de ter lido um GOT! Hahahah

    Sucesso ao Marcelo e parabens!
    Beijinhos
    Sou eu... Pri!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente vale a pena ler, né? O livro é muito legal! E, apesar de fino, tem muita história!
      Muito sucesso à ele!
      Beijos!

      Excluir
  2. Achei muito interessante essa entrevista do Marcelo, mais um pra minha lista de autores brasileiros interessantes e desconhecidos por mim até então!
    E por esses dois livros dá pra ter uma pequena noção do estilo literário dele (se é que é só um), que tem essa necessidade de intensa pesquisa sobre os temas e tudo mais.

    ResponderExcluir
  3. Suas entrevistas são uma das melhores! Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Adorei conhecer o Marcelo, achei super simpático. Fiquei muito interessada no livro O Mago de Camelot, parece ser o tipo de leitura que eu gosto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito simpático, né? Vale a pena ler, Érika!
      Beijos!

      Excluir
  5. Não conhecia o autor e nem as obras dele, mas fiquei bem curiosa pra ler. Adoro fantasias. E adorei a indicação dele do livro Ser Clara da Janaina Rico pra leitura, o livro é ótimo e ela é uma fofa.

    Bjok

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale a pena ler, Raquel! Ainda preciso ler esse livro, não li nada da autora!
      Beijos!

      Excluir
  6. Ainda não li O Mago de Camelot, mas ele é minha próxima leitura e sempre me disseram que ele possui uma organização bastante complexa para um livro tão curto. Muito legal saber onde um Marcelo encontrou a inspiração e as bases para escrevê-lo. Eu, particularmente, também sou fã de sagas Arthurianas e de Merlin. *-* Muito legal a entrevista, Deia!
    Beijo!
    Daniela Martinsa
    A Thousand Lifetimes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quero saber o que você achou, Dany! Realmente vale a pena ler! Adoro a história de Merlin!
      Beijos!

      Excluir
  7. Oi Deia!
    Eu já tive a oportunidade de conversar com o autor e o acho muito simpático e querido! Mas, é muito bom vir aqui e saber todas essas coisas sobre ele. Já me ganhou só por ser fã de Tolkien.
    Beijos <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É legal conhecer um pouco mais sobre os autores que gostamos, né?
      Beijos!

      Excluir

Seu comentário é muito importante! Obrigada por comentar, e aproveite sua visita!

* Os comentários são moderados, então dependem de aprovação para serem publicados.

O conteúdo do blog foi escrito e criado por mim, salvo quando sinalizado. Se for copiar, me avise e coloque os devidos créditos. As imagens e fotos, se não tiradas por mim ou criadas para o blog, foram retiradas, em sua maioria, do Pixabay. Caso seja de sua autoria, me avise para que eu coloque os devidos créditos!

Licença Creative Commons