Cidade das Cinzas

by - junho 16, 2013

Nome: Cidade das Cinzas

Autora: Cassandra Clare
Editora: Galera Record

A resenha tem spoilers de "Cidade dos Ossos"



Depois do final do primeiro livro - e de ver como Cassandra Clare consegue nos deixar preso e nos envolver no  mundo mágico que criou - eu não pude deixar de começar a ler logo o segundo. Ela consegue colocar assuntos  - incesto, homossexualismo - de uma forma que não nos deixe abalar tanto.


O mundo de Clary virou de cabeça para baixo. Mais uma vez. Primeiro, ela descobre que o mundo é mais amplo do que o que imaginava - e que ela não é uma mundana, como imaginava. Depois, sua mãe entrou em um coma -e ela não faz ideia de como reverter a situação. Pelo menos ela não estava mais em perigo, né? Ainda, Jace, o Caçador de ombrar sarcástico e charmoso por quem se apaixonou, é seu irmão - e Valentim, aquele a quem aprendeu a odiar, é pai deles. 

Clary, agora, tem que tentar se relacionar com Jace como sendo apenas sua irmã, por mais difícil que isso seja - e aceitar o fato de que Simon está apaixonado por ela, tentando fazer com que ele não sofra com isso. Além disso, Clary conhece mais sobre si mesma - e descobre que pode ser uma caçadora de sombra melhor do que imaginava.

Conhecemos melhor outros personagens. Jace tem suas proteções quebradas. Percebemos que ele não é aquele cara frio e sem medo que aparenta - existe alguém por trás disso. Ele demonstra um conflito interno entre a família que o criou de forma carinhosa, os Lightwoods, e seu pai. Ele tem que escolher entre seguir o pensamento louco de seu pai e ficar do lado dele, ou dar as costas e se colocar contra ele. Muitos - como a clave, por meio da Inquisidora, e até membros da família Lightwood - duvidam que Jace consiga dar as costas a seu pai, o que o deixa ainda mais confuso. Além disso, o único amor que realmente sentiu não pode ser concretizado: Clary é sua irmã.

Simon também aparece cada vez mais - e gostei bastante disso, gosto bastante de seu personagem! Ele perde o medo de ficar junto de Clary e dá um passo adiante entre a amizade e o 'alguma coisa a mais'. E, como fez em toda sua vida, não quer sair do lado dela - mesmo sendo um mundano e não pertencendo a este mundo sobrenatural. E, é claro, isso pode expô-lo a riscos. E que riscos! 

As aparições de Magnus Bane também são mais frequentes. O grande mago de Brooklyn mostra sua grandeza quando faz coisas que ninguém mais consegue fazer, como curar feridas quase impossíveis. Além disso, ele já demonstrava, desde o primeiro livro, interesse em Alec, outro caçador de sombras. É engraçado ver como o garoto, após dar um passo a frente nesse relacionamento, lidá com o conflito que está em sua cabeça.

E, é claro, Valentim se mostra cada vez mais forte - e ficamos cada vez com mais medo que ele consiga o que quer. Com os Instrumentos Mortais em mãos, ele conseguiria destruir a clave e atingir seu objetivo. E, é claro, ele vai tentar convencer Jace, seu filho, de lutar a seu lado - o que vai confundir ainda mais a cabeça do garoto.


Não posso deixar de notar algumas características do livro que podem ser comparadas com a saga de Harry Potter: os dois Instrumentos Mortais que conhecemos, por exemplo: um Cálice Maldito, que pode ser comparado com o Cálice de Fogo; e a Espada, que lembra a espada de Grifindor; também podemos falar da Inquisidora, que lembra a Dolores Umbridge; e um mago incrível que faz coisas que quase ninguém consegue fazer: Magnus Bane e Dumbledore!

Mesmo assim, o livro é ótimo, te prende a cada segundo. Eu dormia mal e virava um zumbi no dia seguinte durante a leitura, porque não conseguia parar de ler a noite. Só dormia porque realmente precisava. E o final, mais uma vez, me deixou mais do que curiosa e morta de vontade de ler o próximo livro! E tenho certeza que vou adorar ler, ainda mais se for bom como os dois primeiros!

Onde encontrar? Saraiva | Cultura | Fnac | Submarino

Leia também

2 comentários!

  1. Eu amoo Instrumentos mortais. Cassandra é uma das minhas autoras queridinhas! Engraçado, vejo tanta gente falar que adora o Simon, mas eu não vejo nada de mais nele sabia? Nada contra também, eu só não entendo essa paixão toda. Já tinha feito algumas conexões com HP, mas juro que nunca pensei na Dolores como a Inquisidora? Faz todo o sentido!

    Beijokas
    escolhasliterarias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também amo a série! É ótima *-*
      Eu não sou apaixonada por Simon, mas acho que ele vale mais do que a Clary vê nele!
      Faz mto sentido, né? hahaha
      Beijos!

      Excluir

Seu comentário é muito importante! Obrigada por comentar, e aproveite sua visita!

* Os comentários são moderados, então dependem de aprovação para serem publicados.

O conteúdo do blog foi escrito e criado por mim, salvo quando sinalizado. Se for copiar, me avise e coloque os devidos créditos. As imagens e fotos, se não tiradas por mim ou criadas para o blog, foram retiradas, em sua maioria, do Pixabay. Caso seja de sua autoria, me avise para que eu coloque os devidos créditos!

Licença Creative Commons