Persépolis

by - julho 19, 2016

Nome: Persépolis (Completo)
Autora: Marjane Satrapi
Editora: Quadrinhos na Cia
Páginas: 352


Persépolis é uma autobiografia em quadrinhos de Marjane Satrapi. Ao mesmo tempo em que vemos a história da autora, conhecemos também a história do Irã. Desde o início, há uma preocupação para que o leitor entenda qual é o contexto que estamos envolvidos: a região da Pérsia, onde hoje se localiza o Irã, sempre foi alvo de conflitos.

No início do livro, encontramos um país governado por um xá que foi lá colocado pelos imperialistas ocidentais, somente para se utilizarem das inúmeras reservas de petróleo do país. Os cidadãos não estavam satisfeitos com essa situação e se mobilizavam para que fosse implantada uma democracia.

Os pais de Marji sempre iam às ruas para garantir que a filha tivesse um futuro melhor. Eles a educaram para que fosse uma mulher politizada, livre e independente, que pudesse alcançar todo o potencial que sempre demonstrou ter.

Assim que o regime do xá foi derrubado, a população elegeu um governo islâmico. Isso deixou os revolucionários ainda mais inconformados, afinal, não foi para isso que se mobilizaram. Para piorar a situação, o Iraque se sentiu ameaçado pelo governo iraniano e  decidiu declarar uma guerra contra o país.

Marji sentiu a mudança na pele. Desde criança, estudava em um liceu francês, laico e que permitia a interação entre homens e mulheres. Com o novo regime, ela passou a estudar em um colégio religioso, apenas para meninas e, ainda, foi obrigada a colocar um véu sempre que saísse de casa (afinal, os cabelos de uma mulher atraíam muito a atenção dos homens).

A garota não conseguia se conformar com os novos padrões da sociedade, e também não controlava a boca para falar o que realmente acreditava. Com medo que o comportamento da filha pudesse a prejudicar, quando a garota completou 14, eles a enviaram para terminar seus estudos na Europa, onde ela poderia ser realmente livre.


Eu já tinha bastante curiosidade para assistir ao filme ou ler os quadrinhos,  mas nunca tive a oportunidade. Em junho, Persépolis foi o livro indicado pelo Our Shared Shelf, clube de leitura feminista da atriz Emma Watson (que, para quem não sabe, interpretou a Hermione). A minha curiosidade ficou ainda maior, e, resolvi, finalmente, ler!

Os quadrinhos mostram uma grande discrepância entre o Irã e o ocidente. Marji, que viveu durante a guerra Irã-Iraque e durante a revolução islâmica, conseguiu ver bem essa diferença assim que colocou os pés na Europa: as preocupações deles eram bem mais superficiais do que as que ela teve que aprender a viver.

Também é claro o aspecto feminista da história. Depois da revolução, as iranianas foram obrigadas a usar véu e roupas que cobrissem o seu corpo, já que qualquer coisa poderia distrair os homens. Aquelas mais liberais, se revoltavam de maneira sutil, usando maquiagem, deixando o pulso à mostra, com meias coloridas. Qualquer coisinha diferente já era motivo de serem enviadas ao Comitê, onde poderiam ser condenadas à chibatadas, casamentos forçados ou à morte.

Marji não se conforma com essa condição, e, sempre que possível, coloca sua opinião para que todos ouçam. E, sem dúvidas, a educação laica que teve e a família liberal que a criou contribuiu para que ela não fosse doutrinada pelo islamismo, e não acreditasse em todas as mentiras soltadas para controlar a população.

É impressionante pensar que os quadrinhos são uma autobiografia da autora. Realmente, é um choque de realidade e muitas vezes mostra que as nossas preocupações não são tão complicadas quanto parecem, frente ao que muitas pessoas passam.

Para você, que ficou curioso, confira o trailer do filme, ganhador do prêmio do júri em Cannes:



Leia também

8 comentários!

  1. Desconhecia a obra e realmente parece ser um choque de realidade. Principalmente por saber que é uma autobiografia.
    Me lembrou de quando li A cidade do Sol. Parece ser uma leitura bem intensa.
    Gostei e pretendo procurar para ler.

    ResponderExcluir
  2. Já tinha lido outras resenhas sobre o livro, e fica só aumentando minha curiosidade para lê-lo. Marjane mostrou ser bem forte, resistente, isso sendo um próprio incentivo dos pais, que queria que ela sempre fosse livre ou pelo menos eles tentavam o máximo lutar para que ela tivesse esse direito. E infelizmente, quando acontece essas brigas no oriente, às mulheres sofrem bastantes, e quando se pronunciam, as punições são bem severas. Marjane não foi a primeira, e nem será a última.Mas espero que aos poucos, todos os exemplos de outras "Marjanes" que existirem, possa ter alguma lição para esses países. Enfim, história incrível, que eu pretendo ainda ler esse ano.
    Leitor Irônico

    ResponderExcluir
  3. Adoro autobiografias. E esta é em quadrinhos? Deve ser muito prazerosa esta leitura. E pelo jeito, nos faz refletir bastante.
    Não conhecia esta obra e com toda certeza já acrescentei em minha lista.

    Beijinhos...
    http://estantedalullys.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Nunca tinha ouvido falar sobre o livro ou o filme, mas com certeza me interessei bastante. Primeiro pelo contexto histórico e realista da obra, segundo por ser autobiografia, adoro, e terceiro pela força que a protagonista parece ter.
    Acredito que deve ser uma ótima obra. Quero ler!
    Beijos.

    Li
    Literalizando Sonhos

    ResponderExcluir
  5. Oie.
    Tudo bom?
    Nossa como nunca tinha ouvido falar tanto do filme como o livro?
    Mesmo sendo quadrinhos, achei a premissa bem interessante e com uma história bem forte, ainda mais sabendo que se trata de uma autobiografia.
    Vou tentar ler, fiquei bem curiosa.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Achei muito interessante uma biografia dessa maneira, acho que muda totalmente a perspectiva e o público alvo, alcançando assim mais pessoas. Deve ser um ótimo livro para aprender sobre a cultura desse país e por ser em quadrinhos é uma leitura bem leve. O Book Trailer ajudou também para aguçar a curiosidade.
    Beijos.
    http://arsenaldeideiasblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  7. Ola lindona estou doida para ler esse livro e conhecer esse universo desse país. Principalmente no que diz respeito as regras da religião e como nossa protagonista vai lidar com tudo isso. Já li elogios a esse livro e ilustração. Com certeza está em minha lista de leitura. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  8. Esse livro está na minha lista de desejados já faz um tempinho, espero ter a oportunidade de ler muito em breve.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante! Obrigada por comentar, e aproveite sua visita!

* Os comentários são moderados, então dependem de aprovação para serem publicados.

O conteúdo do blog foi escrito e criado por mim, salvo quando sinalizado. Se for copiar, me avise e coloque os devidos créditos. As imagens e fotos, se não tiradas por mim ou criadas para o blog, foram retiradas, em sua maioria, do Pixabay. Caso seja de sua autoria, me avise para que eu coloque os devidos créditos!

Licença Creative Commons