Entrevista: Camila Dornas

by - maio 18, 2014

Hoje trago mais uma entrevista para vocês, dessa vez com a fofa da Camila Dornas, autora de "A Linhagem" e de "Subconsciente", que será lançado na Bienal de São Paulo. 


Como foi seu primeiro contato com a leitura? Você já lia na infância?

Minha mãe costumava ler pra mim antes que eu dormisse. Essa é uma das primeiras lembranças que eu tenho, ela com um livro na mão, me incentivando a me apaixonar por aquele mundo, mesmo que ela nem gostasse tanto assim. Mesmo na infância, eu já era uma leitora compulsiva. Acho muito importante que as crianças tenham isso hoje em dia.

 Quando você começou a escrever? Quando decidiu ser autora?

Sempre gostei de escrever, desde muito pequenininha mesmo, escrevia sobre tudo. Começou como uma válvula de escape, uma forma de lidar com meus sentimentos, meus medos e esperanças. Nunca foi algo que planejei, gostava de escrever, encontrei naquilo uma felicidade simples e verdadeira. Mesmo se nunca tivesse publicado um livro, escreveria por que é algo pelo qual sou completamente apaixonada. No entanto, um dia, uma ideia me surgiu, e ela não me deixava, de maneira alguma. Assim, surgiu A Linhagem. Foi quando eu soube que realmente queria ser escritora. 

Quais são suas inspirações para escrever? Tem algum autor como referência?

Minha inspiração vem de milhares de lugares diferentes. Sempre fui apaixonada por clássicos, Jane Austen, Charlie Dickens, Emily BrontË, entre outros. Gosto de livros atuais também, adoro Cassandra Clare, choro até soluçar com os livros do John Green, e não resisto de maneira alguma a um livro do David Levithan. Se fosse citar todos os autores que me inspiraram, iria escrever um livro inteiro (risos).

Qual foi sua inspiração para escrever “A Linhagem”? E “Subconsciente”?

A inspiração é uma coisa maluca. A Linhagem veio de um lanche, um desenho e um guardanapo. Subconsciente, por exemplo, veio de uma outra paixão minha, a fotografia. Estava procurando algumas novas imagens para decorar meu quarto, e, assim, de maluquice mesmo, decidi me inspirar na Primeira Guerra Mundial. Procurei algumas imagens, e me deparei com uma fotografia de uma garota em uma mesa, um cigarro entre os lábios vermelhos, aquele ar de melindrosa e os cabelos curtos como em um livro de Fitzgerald. Me apaixonei imediatamente. Comecei a imaginar a história daquela garota, quem ela era, por que parecia tão triste. E assim, surgiu Olga Chevalier.

Evangeline é uma personagem forte e determinada. Você se inspirou em alguém para cria-la?

Em muitas maneiras, Evangeline compartilha um pouco de mim, de minhas crenças, da minha impetuosidade. Mas em algum ponto da história, ela se tornou tão independente, tão definida em minha mente, que foi como se tomasse vida própria, e mesmo que detalhes sobre ela tenham sido inspirados em amigos, em um estranho na rua fumando um cigarro, em uma garota qualquer perambulando por uma rua vazia, ela se tornou tão ela que ficou impossível compará-la à pessoas que eu conhecia.



Seus livros não passam nos dias atuais. Como foi o trabalho de pesquisa para inserir os personagens no contexto dos livros?

Foi bem complicado, passei bastante tempo e horas em claro em frente ao computador, ou com a cara escondida em livros em alguma biblioteca. Mas eu simplesmente amo esse processo de pesquisa, quase tanto quanto a escrita em si. Aquela sensação de entrar aos poucos em uma outra época, outros costumes, não tem preço.

Você pensa em publicar algum outro livro? Poderia nos contar um pouquinho sobre o que está planejando para os próximos anos?

Sim, escrever é uma paixão, e acho que não consigo mais deixar de lado. No entanto, conforme eu mesmo vou mudando, meus livros também vão. Acredito que meu próximo trabalho, que já está finalizado, vai encantar e surpreender os leitores. É diferente do que eu geralmente escrevo, e é um projeto mais pessoal, mais reflexivo. Espero poder contar mais em breve. No momento, já tenho bastante histórias perambulando aqui na minha cabeça, esperem e vejam!

Quais são as maiores dificuldades que um autor brasileiro enfrenta hoje em dia?

A aceitação dos leitores ainda é um problema. As pessoas preferem apostar naquilo que já conhecem. Conseguir espaço nas livrarias também é complicado, mas estamos mudando essa realidade todos os dias, e os blogueiros são uma grande parte disso. Acho incrível ver o quanto o apoio de vocês tem crescido, não sei o que faríamos sem vocês.

Como você vê a literatura brasileira atualmente? Quais são suas expectativas quanto à ela?

Estamos em fase de crescimento. A cada dia, vejo o quão unidos os autores estão se tornando, o empenho que todos nós temos, como uma comunidade, é incrível. Conheci pessoas maravilhosas e muito talentosas em meu tempo como autora, e acredito que essa união vai impulsionar a literatura nacional cada  dia mais longe.

Foto tirada no Evento do Trilhando Páginas em São Paulo!
Você faz parte do grupo “Trilhando Páginas”. Você acha que o grupo ajuda na divulgação da literatura nacional?

Sim, sinceramente acredito. As autoras que fazem parte do grupo comigo, Bhya, Denise, Eleonor, Bruna, Keila e Mari, são meus anjos da guarda. Sem mencionar minhas fiéis escudeiras e consultoras de homicídio (de personagens, é claro) haha. O grupo vai muito além de apenas divulgar nossos livros, queremos mostrar para os leitores que apostar na literatura nacional vale a pena.

Você foi a primeira autora parceira aqui do Own Mine, e eu fiquei muito feliz quando fechamos a parceria! Qual você acha que é o papel dos blogs literários atualmente?

Vocês são grandes formadores de opiniões. Ter a ajuda e o apoio de blogueiros durante esse ano foi essencial para mim. Hoje em dia, com uma sociedade conectada o tempo todo, ter blogueiros como você apoiando a causa faz uma diferença enorme. Eu tive sorte de ter os parceiros mais incríveis, e agradeço todos os dias por isso.

 Tem alguma dica para quem tem vontade de publicar um livro?

Vai ser difícil, alguns momentos te farão querer desistir. O mercado ainda é complicado para um autor nacional, mas ele cresce a cada dia, e se você tiver a coragem e determinação para lutar por aquilo que você ama, o céu é o limite.

Sei que essa pode ser uma pergunta difícil, mas qual seu livro preferido?

Jesus do céu, minha nossa senhora da bicicletinha, que pergunta complicada. Dentre outros, um dos meus livros favoritos é Belle, da Lesley Pearce, por ser um livro tão brutalmente verdadeiro e por uma personagem tão forte, e imperfeita. Esse livro me marcou profundamente, e é um dos meus favoritos. Gosto muito de O retrato de Dorian Gray também, O caçador de Pipas, Nick e Nora, Orgulho e Preconceito, e por aí vai.

Qual livro nacional você recomenda? Por quê?

Recomendo os livros da Carina Rissi pra quem gosta de romance. Para quem quer chorar até desmaiar com tamanha perfeição, recomendo os livros da Samantha Hotz, precisei de muitas caixas de bombom para recuperar meu coração depois de lê-los. E para os amantes de fantasia, recomendo os livros das minhas colegas, Denise Flaibam, Keila Gon e Bruna Camporezi. Ufa! Nunca consigo escolher um livro só! (risos).

Muito obrigada pela entrevista! Você gostaria de deixar algum recado para os leitores do blog?

Obrigada mesmo por terem ouvido meu blá bla bla. Nunca desistam dos seus sonhos, e saibam o quão especiais cada um de vocês é. Para os que já leram os livros, espero que tenham o gostado. Para aqueles que não, espero que venham a gostar. Um grande beijo!



TOP COMENTARISTA

Leia também

17 comentários!

  1. Lindaaaaaaaaaa! Amei Camila! Estou com saudades! <3

    ResponderExcluir
  2. Amei a entrevista! Parabéns Ca! Saudade.

    ResponderExcluir
  3. Olá flor tudo bem???
    Esses dias publiquei também uma entrevista com a Camila. Ela é uma pessoa super atenciosa e carinhosa... Tê-la como parceira é uma honra. Gostei muito de suas perguntas.. o que é bom porque conheci um pouco mais sobre ela e de seus pensamentos como leitora e escritora... Parabéns... Sucesso ao seu blog e muito sucesso a Camila.... Não vejo a hora de ter Subconsciente em mãos rsrsrs Xero!!!!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito atenciosa mesmo!
      Obrigada, Diana! Também estou super animada para ter Subconsciente em mãos logo!
      Beijos!

      Excluir
  4. Tenho o livro da Camila mas ainda nao consegui ler, acredita????
    Desejo tudo de mais maravilhoso a ela e sorte no proximo livro!!

    Beijinhos
    Sou eu... Pri!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, Pri!
      Você precisa ler o livro dela! É ótimo! :D
      Beijos!

      Excluir
  5. Ainda não tinha ouvido falar da Camila, mas depois dessa entrevista achei ela um doce de pessoa!
    Gostei muito da forma que ela falou sobre as personagens Olga Chevalier e Evangeline, a forma como elas surgiram e como se tornaram algo indepente dela própria... não sei se me expliquei bem, mas só sei que gostei haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é muito simpática mesmo! É engraçado como as personagens ganham vida própria, né?
      Beijos!

      Excluir
  6. Que fofa a Camila, realmente um doce de pessoa. Estou numa fase bem nacional ultimamente, e estou amando. O Brasil tem ótimos escritores. Ainda não li nada da Camila, mas pretendo ler em breve.

    Beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito fofa, né?
      O Brasil tem ótimos escritores mesmo. Tenho certeza que você vai adorar "A Linhagem"!
      Beijos!

      Excluir
  7. Ai... a Camila é muito fofa! Hahaha ela é tão indecisa quanto eu nessa história de fazer escolhas, avalia todas as possibilidades! Achei muito engraçada a história das inspirações para os livros. E vou te dizer, o Trilhando Páginas é um grupo de mulheres poderosíssimas!

    Beijo!!!!
    Dany
    A Thousand Lifetimes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é mesmo fofa! Mas tem que avaliar mil possibilidades antes de tomar uma decisão, né? Com certeza, são super poderosas hahah
      Beijos!

      Excluir
  8. Adorei a entrevista, a Camila Dornas parece uma fofa. Tenho muita vontade de ler o livro dela, parece um ótimo livro.
    Concordo que a Carina Rissi é uma ótima autora nacional.

    Bjok

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é mesmo uma fofa! O livro é ótimo! *-*
      Preciso ler logo algum livro da Carina Rissi!
      Beijos!

      Excluir
  9. Adoro quando os autores fazem pesquisas antes de escreverem seus livros, mostra como eles querem que isso dê certo, como eles se importam e gostam do que fazem. Também podemos ver que não é fácil assim escrever um livro, que eles tem trabalho, mas que gostam de faze-lo.
    A Camila é muito fofa!
    Beijos <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza mostra o compromisso que o autor tem com o seu livro e seus leitores!
      Beijos!

      Excluir

Seu comentário é muito importante! Obrigada por comentar, e aproveite sua visita!

* Os comentários são moderados, então dependem de aprovação para serem publicados.

O conteúdo do blog foi escrito e criado por mim, salvo quando sinalizado. Se for copiar, me avise e coloque os devidos créditos. As imagens e fotos, se não tiradas por mim ou criadas para o blog, foram retiradas, em sua maioria, do Pixabay. Caso seja de sua autoria, me avise para que eu coloque os devidos créditos!

Licença Creative Commons